2 de março de 2021

02/03 – secretários de saúde querem escolas (e tudo o mais) fechadas, professores se queixam de falta de estrutura, a dificuldades de fazer alunos seguir protocolos – e mais, para sua aula: desenho animado ensina ciência a crianças.

.

Estreia, MINUTO FEPESP: nesta terça-feira, 02 de Março, o assunto é a primeira rodada de negociações da Campanha Salarial 2021: defender direitos, defender a vida! Assista agora aqui: https://youtu.be/3U7W0Hxw4rA

 

 

VOLTA ÀS AULAS

Secretários de Saúde defendem lockdown nos Estados em que UTIs estão lotadas
Estadão via UOL; 02/03
http://bit.ly/3bQniU1

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) defende a adoção imediata de lockdown nos Estados em que a ocupação dos leitos de covid-19 tenha alcançado mais de 85%. Em comunicado divulgado no início da tarde desta segunda-feira, 1º, o Conass também defendeu a adoção de um toque de recolher nacional, das 20h às 6h, em todo o País, inclusive nos finais de semana, e a suspensão do funcionamento das escolas. Na carta, os gestores dizem que o Brasil enfrenta o pior momento da epidemia e criticam a falta “de uma condução nacional unificada e coerente” para a crise.

Os secretários de saúde pedem o recrudescimento das medidas de distanciamento social em todo o País, levando-se em conta “a situação epidemiológica e a capacidade de atendimento de cada região, avaliadas semanalmente a partir de critérios técnicos.” No caso dos estados onde a ocupação dos leitos de covid-19 ultrapasse 85%, os secretários pedem a adoção do nível máximo de restrição.

 

Depois do pior mês da covid-19, Brasil abre março com 255 mil mortos e maior média diária de vítimas
Rede Brasil Atual; 02/03
http://bit.ly/2Oc9hry

O Brasil ultrapassou hoje (1º) a marca de 255 mil mortos por covid-19, com o registro de mais 778 vítimas em um período de 24 horas. As informações são do são do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass). Às segundas-feiras, o registro de mortes e casos número tende a ser reduzido, devido ao descanso semanal de parte dos trabalhadores da Saúde em todo o país. A distorção tende a ser corrigida nos dias seguintes. Entretanto, esta foi a segunda-feira com maior número de mortos oficialmente notificados este ano.

 

Professores se queixam de falta de estrutura e contaminações por Covid em escolas estaduais de SP
Folha de S. Paulo; 02/03
http://bit.ly/3uWj4TE

Resultados positivos para a Covid-19 entre funcionários, falta de pessoal para a limpeza das salas e inadequação de estrutura, além da discrepância dessas condições dentro da própria rede, têm alimentado a insegurança de alunos e docentes nas escolas estaduais de São Paulo.

A codeputada Paula Aparecida, da bancada do PSOL na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) vem compilando denúncias recebidas de professores da rede estadual e diz já ter detectado ao menos 15 escolas em que falta estrutura para a retomada das aulas presenciais, algumas das quais já registraram casos de contaminação de docentes ou funcionários.

Segundo docentes e funcionários, contudo, há subnotificação, pois muitas vezes os profissionais precisam fazer os testes sem o auxílio do estado e não há registro das suspeitas.

 

Professores relatam dificuldades para fazer aluno cumprir regras de protocolos sanitários
Agora; 01/03
http://bit.ly/3bQrao5

Com o retorno das aulas presenciais, além de terem de cumprir o seu ofício, os professores tiveram de acumular uma nova função: a de averiguar se os alunos cumprem ou não as normas sanitárias para evitar o contágio do novo coronavírus. E muitos relatam dificuldades para fazer com que os alunos usem de forma correta as máscaras, o álcool em gel e evitem aglomerações.

“Os alunos só colocam a máscara quando vão entrar na unidade. Se tem alguém cobrando, eles usam normalmente. Caso contrário, é máscara no queixo. Alguns são mais exaltados e até reclamam. Não sei mais o que fazer. Estou realmente com medo de ser contaminado”, afirmou um professor que leciona em uma escola da zona norte da capital paulista.

 

“Quem acha que escola é depósito de criança quer ensino presencial”, diz historiador sobre 23 mortes e 1137 infectados
UrbsMagna; 28/02
http://bit.ly/3kzIykW

Em tom de indignação, o historiador Fernando Horta afirmou em seu perfil do Twitter que “quem defende educação luta pela destinação de recursos para MELHORAR o ensino remoto e garantir a vida de todos”.

Horta também comentou que “quem acha que a escola é um depósito de criança quer o ensino presencial”, ao compartilhar informação de que “já temos 1137 profissionais da educação da rede pública do estado de SP contaminados e 23 óbitos”.



Cerca de 1.400 mães não se apresentaram para trabalho em escolas de São Paulo
Agora; 01/03
http://bit.ly/3b8e8Tz

Aproximadamente 1.400 das cerca de 4.500 mães contratadas pela Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), para auxiliar no cumprimento dos protocolos de prevenção contra a Covid-19 em escolas municipais não se apresentaram para o trabalho. 90 mil mulheres haviam se candidatado às vagas abertas pela Prefeitura.

Segundo dados da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, 3.156 mulheres selecionadas foram aos postos do Cate (Centro de Apoio ao Trabalho e Empreendedorismo) entre sexta-feira (26) e domingo (28) para entregar a documentação e formalizar o contrato, que tem duração de seis meses.

 

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Escola decide se aluno deve ligar câmera em aula, diz Conselho de Educação; OAB nega obrigatoriedade
Diário do Nordeste; 26/02
http://bit.ly/3rlQEjP

A obrigatoriedade do uso da câmera por alunos ainda gera divergências. Para o Conselho Estadual de Educação, a decisão cabe às escolas; enquanto a Ordem dos Advogados do Brasil do Ceará (OAB-CE) afirma que exigência fere “privacidade do aluno”.

Discussão ganhou força com o retorno das aulas remotas, quando o contato entre estudantes e professores é feito por telas de computador e celular. Desafio está entre melhorar o desempenho de alunos nas aulas, incentivando maior participação com câmera ligada, e, ao mesmo tempo, evitar exposição.

No sentido jurídico, a presidente da Comissão de Educação e Cidadania da OAB-CE, Sônia Cavalcante, diz que a escola não tem o poder de obrigar o aluno a fazer o uso da câmera. “Essa imposição, por vezes, interfere na privacidade do aluno. Mas, tudo é uma questão de bom senso e diálogo”, diz.

 

Maioria de Estados e prefeituras cortou gasto com Educação em 2020
Valor Econômico; 01/03
http://glo.bo/3bPG128

Sete em cada dez municípios brasileiros reduziram os gastos com educação em 2020. Dados de 3.408 cidades – o país tem 5.570 – mostram que os gastos totais com educação, incluindo custeio, pessoal e investimentos, somaram no ano passado R$ 127,1 bilhões, 1,9% a menos em termos nominais que as despesas de 2019 no mesmo grupo de municípios. A queda real foi de 6,3%.

Para especialistas, a redução generalizada da despesa total com educação ainda indica que a implementação do ensino remoto e a reforma de escolas para evitar contato social ficaram em ritmo aquém do desejado. A preocupação é que a situação se prolongue em 2021 e as perdas de aprendizagem se tornem mais difíceis de reverter.

“A maior parte das escolas não foi preparada e isso dialoga com relatos de secretários municipais de Educação. Em meio ao suposto debate sobre a volta das aulas presenciais, a maior parte das cidades não fez nada”, diz João Marcelo Borges, pesquisador do centro de desenvolvimento da gestão pública e políticas educacionais da Fundação Getulio Vargas.


Opinião: “PEC 186, um ataque ao direito fundamental de acesso à Educação”
Estadão; 01/03
http://bit.ly/3sMPCh3

Por José Antonio Ignacio Jr, mestre em Teoria do Direito e do Estado: “Caso aprovada a PEC será um retrocesso de efeitos catastróficos para o Brasil, pois a educação ao lado da saúde estrutura qualquer estado civilizado. Pensar uma sociedade onde o Estado fica desobrigado de aplicar um percentual mínimo de sua arrecadação na formação das gerações que o governarão no futuro, é preparar terreno para um país gerido por medíocres, ou pior, por uma casta privilegiada dos que tiveram condições de estudar em instituições particulares que se alternarão no poder. O direito à educação é amplamente assegurado pela Constituição Federal através dos artigos 6º, 205, 208 e 212. Deverá ser social, gratuito e universal, garantia de todos e dever do Estado”.

 

 

As animações que ensinam evolução humana para crianças
Nexo; 01/03
http://bit.ly/3raL3fM

Usar animação para ensinar a evolução humana para crianças. Com essa premissa, o projeto “Evolução para Todes”, de pesquisadores da USP, apresenta uma série de vídeos nos quais falam, por exemplo, sobre teoria da evolução e origem da humanidade.

O primeiro vídeo publicado pela iniciativa parte da pergunta clássica: “de onde viemos?”. No material, que tem a cultura brasileira como referência, essa pergunta é respondida por uma animação de uma família negra, em que a personagem principal é uma menina de 7 anos. Além do episódio “de onde viemos?”, um segundo vídeo foi publicado e fala sobre a teoria da evolução e ancestralidade, com o título “nossa origem”. Clique aqui para ver um episódio: https://youtu.be/dq46pmZMCLY

 

Os autores do projeto dizem explorar possibilidades de construção de novas narrativas da história e da cultura, a fim de estimular a participação de mais pessoas negras e mulheres no fazer científico.

Os conteúdos educativos são produzidos pelo Laboratório de Arqueologia e Antropologia Ambiental e Evolutiva em parceria com pesquisadores do Instituto de Biociências e do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, com apoio do Instituto Serrapilheira.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio