20 de julho de 2018
 
 
Enviar por email
RSS
Imprimir

Vencemos!

13/09/2018

Assembleias de professores e auxiliares,
em todo o Estado, votam acordo histórico

Primeira vitória de uma categoria
contra a 'reforma' trabalhista!

Comunicado conjunto Fepesp-Sieeesp confirma conquista desta campanha salarial de resistencia à reforma trabalhista. Veja a integra aqui: https://bit.ly/2JNVeVg

O que foi conquistado:
- Manutenção integral da Convenção Coletiva, sem cortes de direitos, por um ano
- Reajustes e direitos retroativos a 1º de março, nossa data base
- Reajuste pela média dos índices de inflação: 2,14%
- Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de 15% sobre o salário bruto, a ser pago atpé 15 de outubro
- Escolas que não pagarão o PLR: reajuste salarial de 3,39% sobre os salários devidos em 1º de março
- Reajuste no piso salarial de auxiliares de administração escolar e de professores

Uma campanha dificil e histórica está sendo concluída agora com importante vitória de professores e auxiliares de administração contra a aplicação da 'reforma' trabalhista, que inspirou os donos de escolas a procurar cortar direitos e endurecer relações de trabalho. O patronal não conseguiu o que queria. Nossa mobilização conquistou a compreeensão pais e alunos, ganhou a guerra da comunicação e mostrou nas ruas que não aceitamos a precarização do nosso trabalho.

Assista a reportagem completa de nossa campanha em todo o Estado
neste vídeo da TV Fepesp
https://bit.ly/2MnXvox

Assembleias em todo o Estado estão votando o acordo conquistado que preserva a convenção coletiva integralmente por um ano e dá maior motivação e força para a defesa da educação de qualidade e do respeito aos profiussionais de educação na rede privada - além de mandar um recado de esperança para todas as categorias de trabalhadores que se opõem à 'reforma' do governo sem votos.


 

Desde o início de nossa campanha, o setor patronal insistiu no corte de recesso, das ferias coletivas, das bolsas de estudo aos nossos filhos e na recusa de colocar dinheiro em nosso bolso. Procuraram impor medo à categoria. Mas não conseguiram nos intimidar: fizemos reuniões, atos, assembléias e paralisações e entramos em estado de greve. Com a recusa à negociação, os donos de escolas procuraram deixar professores e auxiliares sem saída. E procuramos Justiça, com a abertura de processo de dissídio da convenção.

E foi feita Justiça. Em reunião na tarde do dia 5, no TRT de São Paulo, os donos de escolas cederam à realidade dos fatos e aceitaram encaminhar à assembleia patronal a proposta do Tribunal: manter a Convenção Coletiva de forma integral, com reajuste pela média dos índices de inflação (2,14%), PLR de 15% e pagamento de dias parados. Na manhã do dia 6, o patronal reuniu-se em assembleia e aceitou os termos do acordo. 

Os sindicatos de professores e auxiliares devem também ratificar essa proposta em assembleia. Os reajustes e demais itens da convenção devem ser retroativos a 1º de março, nossa data base.

Como dissemos no início desta campanha, vamos defender o que é nosso -veja aqui o comentário de Celso Napolitano, presidente da Fepesp, sobre o que foi discutido e apresentado no Tribunal: https://bit.ly/2JyRFlH

Fiucam aqui as fotos dpos ultimos momentos de uma campanha vitoriosa - e início de uma nova mobilização, já visando a garantia de direitos no próximo ano!

#campanhasalarialfepesp2018
#vamosdefenderoquerenosso


Mobilização ocupou a rua da Consolação, diante do TRT, durante a audiência.


Na audiência, desembargador Fernando Álvaro Pinheiro apoia a Convenção Coletiva
 

Mais imagens da nossa mobilização:

 Durante o dia, a mobilização foi intensa (fotos feitas por professores, nos atos)

 

 

Comentários
0 comentário(s)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Insira os caracteres abaixo