24 de setembro de 2018
 
 
Enviar por email
RSS
Imprimir

KROTON: MÁQUINA DE FAZER DINHEIRO

03/07/2018

  O Negócio da Educação       

KROTON: MÁQUINA 
DE FAZER DINHEIRO

Instituição capta 5,5 bi no mercado, entra firma na educação
básica privada, compra editoras e tem nota AA+ por agência
de investimentos internacional. Qualidade da educação,
condições de trabalho? Itens secundários no negócio..

A Kroton é um bom ativo de investimentos. Ontem foi classificada pela agência Fitch Ratigs com a nota AA+ - o que, segundo a agência, "reflete a forte posição competitiva da Kroton no fragmentado setor brasileiro de educação superior, cujo risco é considerado moderado, e a proeminente escala de seus negócios, que permite a companhia obter margens operacionais acima das de seus pares na indústria". Veja mais aqui: https://bit.ly/2ISqYUU

A nota nada diz sobre a qualidade da educação oferecida pela instituição. E menos ainda sobre a dependência do ensino a um conglomerado mais preocupado com o retorno financeiro a seus investidores do que com o sucesso acadêmico e profissional de seus estudantes ou com a qualidade de vida de seus professores e auxiliares.

A Fitch Ratings é uma das três maiores agências de classificação de risco de crédito internacionais, ao lado da Standard & Poor's e Moody's.

É sabido no mercado que a Kronton tem caixa, líquido, R$ 1,5 bilhão. No dia 28 passado, o conselho de administração da Kroton aprovou a emissão de debêntures da Saber  (nova denominação do Sistema Pitágoras), a fim de levantar fundos no valor de R$ 5,5 bilhões. A aquisição da Somos (que ainda será julgada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE), é estimado em R$ 6,2 bilhões.

O TAMANHO DO GRUPO - O grupo Kroton, que surgiu como um cursinho pré-vestibular, o Pitágoras, em Belo Horizonte nos anos 1960, está em vias de se tornar líder no setor educacional privado do Brasil em todas as etapas, da educação infantil ao ensino superior. Com a compra da Somos Educação, antiga Abril Educação, anunciada na segunda-feira, a empresa - que é dona da universidade Anhanguera e do sistema Pitágoras, usado por mais de 200 mil alunos em diferentes colégios - passa a controlar também escolas como o colégio e curso pH e o centro educacional Sigma, além de editoras como Saraiva e Ática e o curso de idiomas Red Ballon. O grupo Somos tem colégios em São Paulo, Rio, Brasília, Cuiabá e Recife, entre outras cidades.

A união das duas empresas cria uma companhia com receita líquida anual de R$ 7,5 bilhões e valor de mercado de cerca R$ 29 bilhões, considerando a cotação de segunda-feira, quando a operação foi anunciada. A operação foi concluída meses depois de o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) vetar a fusão da Kroton com a Estácio, segundo maior grupo de ensino privado do país por citar ameaças à concorrência no setor de universidades privadas.

O grande passo da Kroton no segmento universitário foi a união com a universidade Anhanguera em 2013, grupo que tem unidades em 19 estados brasileiros. A empresa também é dona da Pitágoras Faculdade. Antes de 2013, já tinha adquirido o grupo IUNI Educacional em 2010 e a Universidade Norte do Paraná (Unopar), com forte presença no ensino à distância, em 2011. Também é proprietária da Unime (na Bahia), Uniderp (no Mato Grosso do Sul) e Unic (Mato Grosso).

 

Comentários
0 comentário(s)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Insira os caracteres abaixo