17 de novembro de 2017
 
 
Enviar por email
RSS
Imprimir

REDE BRASIL ATUAL: Professores da rede privada criticam Temer e condenam privatizações

09/08/2016

 

São Paulo – Professores da rede privada paulista de ensino realizam hoje (9) a 1ª Plenária Estadual de Educação, com o tema Em defesa da educação e da democracia. Em entrevista à Rádio Brasil Atual, a diretora executiva da Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp) Conceição Aparecida Fornasari diz que o presidente interino, Michel Temer, e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não representam as demandas da educação. "Nós entendemos que esse governo (interino) é ilegítimo e não atende as demandas da democracia e da educação, que é ter a educação laica, referenciada, estatal, que efetivamente é um direito, não, uma mercadoria."
 
Conceição afirma que um dos temas discutidos é a chamada "privatização branca", na qual a administração de escolas publicas é feita por empresas privadas. Segundo Conceição, a iniciativa é um desserviço para a educação e a construção de um país melhor. "A educação tem de ser pública, porque ela é um direito constitucional. Isso não significa que não possa existir a educação privada, mas ela não pode ser a única possibilidade. Se esse governo interino continuar no Planalto, nos próximos meses, vai acontecer a 'privatização branca'. Isso já aconteceu nos Estados Unidos, e os efeitos foram trágicos."
 
A diretora executiva da Fepesp explica que há outro método de "privatização branca". "A segunda forma é quando há o voucher. Você dá uma verba para o pai, que escolhe uma escola privada para o filho na ilusão de que está levando mais qualidade de ensino, o que não ocorre. As pesquisas apontam que os pais que adotaram isso, erraram", diz. "Alguns estados já fazem essas ações, especialmente, Goiás, Mato Grosso e Brasília. A privatização é desserviço para a educação de jovens e crianças", complementa Conceição.
 
"Nós do setor privado estamos sentindo esse governo através da privatização de tudo, o que vai atingir até os professores da rede pública. Nos últimos dias, o governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, nomeou o Conselho Estadual de Educação, quando a lógica são os empresários de educação que estão dominando esse conselho, sendo que eles já dominam o Ministério da Educação e o Conselho Nacional de Educação", afirma Conceição.
 
 
Comentários
0 comentário(s)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Insira os caracteres abaixo