16 de dezembro de 2017
 
 
Enviar por email
RSS
Imprimir

MEDIDA PROVISÓRIA DO ENSINO MÉDIO É INCONSTITUCIONAL, CONCLUEM ENTIDADES DE PROFESSORES REUNIDAS EM BRASÍLIA

29/09/2016
 
Entidades representativas dos professores no ensino público e privado no Brasil reuniram-se nesta quarta-feira (28/09) em Brasília para consolidar sua posição sobre a MP 746 - a MP do Ensino Médio - concluindo pela sua rejeição, pela forma autoritária como foi apresentado e pelo seu conteúdo altamente discutível e danoso a docentes e estudantes.
 
A reunião, em caráter de audiência pública, foi convocada pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar-DIAP. Ao final do encontro, as entidades subscreveram a seguinte nota crítica à MP, declarando inconstitucional a sua aplicação:
 
NOTA CONJUNTA - REJEIÇÃO DA MP 746
 
"As entidades abaixo signatárias desta Nota, reunidas nesta data, na sede do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar-DIAP, manifestam sua total rejeição aos termos da Medida Provisória 746, editada em 22 de setembro de 2016, que introduz reformas no ensino médio.
 
"É patente a inconstitucionalidade de uma medida provisória, editada em descompasso com a realidade é com o papel das instituições do Estado e da sociedade civil que debatem o tema, e que desrespeita o direito ao devido processo legislativo reiteradamente afirmado pelo Supremo Tribunal Federal.
 
"O seu conteúdo não responde às necessidades do país e dos estudantes, introduzindo de forma açodada e não planejada mudanças que afetam a estrutura do ensino público e privado, os currículos e o próprio perfil do ensino médio no país.
 
"As reformas no ensino médio já se acham em debate no Congresso desde 2013, sendo inaceitável o atropelamento do processo de discussão por uma medida provisória editada sem qualquer consulta aos que por ela serão afetados, e ignorando princípios longamente debatidos e presentes no Plano Nacional de Educação.
 
"Defendemos, assim, a sua imediata devolução ao Poder Executivo pelo Congresso Nacional, a fim de que a discussão possa se dar em prazos razoáveis, envolvendo a todos os atores do Congresso, do Governo e da Sociedade, evitando-se a pratica da política do fato consumado."
 
Brasília, 28 de setembro de 2016
 
Assinam:
CNTE
CONTEE
NCST
CNTEEC
FETRAEEP/CENTRO-NORTE
FEPESP
SINPRO DF
SINPRO SP
SINDPD DF
SINPROEP DF

 

Comentários
0 comentário(s)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Insira os caracteres abaixo