24 de junho de 2017
 
 
Enviar por email
RSS
Imprimir

Judas, 30 moedas e a febre amarela

28/03/2017
Por João Guilherme Vargas Netto. (*)
 
Não me decidi nunca sobre o que achava pior, se a traição de Judas ou a baixa remuneração recebida por ele.
 
Esta cogitação me vem à mente com o estardalhaço criado, no sábado passado, pela manchete principal da Folha. Segundo ela, um conjunto restrito de dirigentes sindicais e parlamentares negociava com o Governo o afrouxamento da luta sindical contra suas “deformas” em troca de beneplácitos inalcançáveis sobre os recursos à disposição dos sindicatos.
 
Como acontece nestes casos, depois da denúncia e do escândalo, choveram explicações e desmentidos.
Alguns mais inábeis do que espertos, procuraram explicar o inexplicável dizendo aos quatro ventos das redes sociais que negociaram sim, mas não a troca dos direitos dos trabalhadores pela garantia de recursos aos sindicatos. Negociaram então o quê? Não se lembraram da lição de que a mulher de César deve, também, parecer honesta.
 
A maioria do movimento sindical, até mesmo os involuntariamente atingidos pela denúncia, protestou firme e decididamente.
 
Embora a grande mídia não tenha dado prosseguimento ao assunto (por enquanto...) a justa indignação do movimento sindical se fez notar pela multiplicidade de notas, manifestos e posicionamentos contra o estelionato.
 
Tudo isso acontece quando o movimento sindical se reagrupa visando o 28 de abril e percebe, com a vitória no dia 15 de março e frente à calamidade da aprovação apertada da terceirização irrestrita (apesar dos corpos moles), que é possível derrotar, no fim das contas, as iniciativas do Governo.
 
A conjuntura mudou de caráter com o debate desinterditado e com o afrontamento entre “fora Temer” e “fora Dilma” sendo substituído pelo da imensa maioria que compreende o esbulho e reage contra ele e a minoria que oportunisticamente se aproveita do desmanche social procurando tirar vantagens.
 
A ingenuidade e o despreparo dos “negociadores” ficaram escancaradas quando a matéria, plantada com certeza pelo Palácio do Planalto, deu conta no seu final de que o Governo não acreditava na possibilidade da entrega da mercadoria adulterada prometida.
 
A denúncia da Folha serviu para o movimento sindical como uma vacina contra a febre amarela dos candidatos a Judas fodidos e mal pagos.
 
...
 
É com tristeza que registro que o companheiro Pavão não lerá esta coluna. Descanse em paz.
 
(*) João Guilherme Vargas Netto é assessor sindical e do DIAP - Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar
 
Comentários
0 comentário(s)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Insira os caracteres abaixo