18 de dezembro de 2018
 
 
Enviar por email
RSS
Imprimir

A tecnologia e o renascimento dos sindicatos

27/11/2018

A tecnologia e o
renascimento dos
Sindicatos

por João Guilherme Vargas Netto*

Apontada como uma das responsáveis pelo declínio das organizações sindicais, a tecnologia pode ter papel central no retorno dos movimentos trabalhistas.No mundo da grande mídia acontecem coisas surpreendentes. Uma delas foi a publicação, no sábado, dia 24 de novembro, de uma página inteira do Estadão traduzindo e reproduzindo matéria de The Economistsobre “A tecnologia e o renascimento dos sindicatos”.

O grande resumo do texto pode ser obtido por sua própria apresentação em que lemos que “apontada como uma das responsáveis pelo declínio das organizações sindicais, a tecnologia pode ter papel central no retorno dos movimentos trabalhistas”.

O autor original (cujo nome é omitido) faz uma série de cogitações pertinentes para explicar a ascensão secular e o declínio atual da organização sindical nos países capitalistas de economia forte. Alinha as sucessivas alterações da estrutura produtiva, as legislações – favoráveis ou adversas – para a prática sindical e a tecnologia (inclusive a de comunicação), cujos efeitos são favoráveis ou contrários à prática sindical.

“O apoio ao sindicato vem aumentando novamente. E a tecnologia pode, de novo, ter um papel central nesse renascimento (…). O uso da mídia social está tomando o lugar das reuniões no chão da fábrica por meio da chamada ‘ação conectiva’.”

Quanto a essa interação entre o fortalecimento das entidades e o uso de redes socais (por elas ou pelos trabalhadores) o autor sintetiza dois caminhos alternativos: ou as redes destroem os sindicatos porque os tornam irrelevantes, ou as redes são um poderoso instrumento para a realização dos objetivos estratégicos dos sindicatos. São alinhados vários exemplos na vida dos trabalhadores das grandes economias capitalistas.

CELULAR, REDES SOCIAIS E O SEU SINDICATO

Leia artigo original aqui: “A história mostra que o poder relativo do trabalho e do capital está em constante transformação. As últimas décadas foram difíceis para o trabalho sindicalizado por causa das mudanças tecnológicas. Mas a tecnologia também será aquilo que vai mudar a sua sorte”.

 

 

Se o jornalista de The Economist tivesse olhado para o Brasil, seguramente apontaria como um exemplo forte da primeira opção a greve dos caminhoneiros, que foi independente da rede de entidades que os representavam e totalmente organizada e dirigida através das redes socais.

Um exemplo de utilização sinérgica entre a mobilização sindical e o apelo às redes sociais foi a última campanha salarial do Sinpro-SP e dos sindicatos de professores da rede privada organizados na Federação Estadual de Professores.

Recomendo que leiam e estudem o texto, uma edição surpreendente.

http://bit.ly/2P3ZEWu

* João Guilherme Vargas Netto é consultor sindical e participa do corpo técnico do DIAP – Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar.

 

Comentários
0 comentário(s)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
Insira os caracteres abaixo